sábado, 15 de abril de 2017

Baú Nostálgico #12: Caverna do Dragão



                                                                                    ANTES


E chegou a hora de falar desse clássico dos 80, mas antes de mais nada devo afirmar que não tive a sorte de viver a tal época, acabei por nascer em meados dos anos 90, mais precisamente em 1995 (logo possuo 21 anos na cara e nas costas), portanto minha experiência com a série se deu a partir de algum momento de 2005 ou 2006 na saudosa e falecida TV Globinho. Até confesso que houve um certo incômodo inicialmente pelo início do desenho ter soado relativamente antinatural, com aqueles seis jovens perdidos num mundo mágico repleto de dragões e outros elementos do RPG (fonte da qual a obra televisiva bebeu), ansiando por encontrar um portal ou um buraco que os levasse de volta para casa. Haviam muitos porquês, o que dava a sensação de incompletude. Em linhas gerais, a pergunta que não calava era: "De onde isso começou?" (sim, eu sei que foi num parque de diversões, e não custava mostrar isso logo no primeiro episódio) Mas, sem um olhar muito crítico, o saldo, de fato, foi bastante positivo, era um desenho de enredo simples que tinha o poder de entreter, diria que o poder maior seria o de instigar o espectador a torcer pelos personagens -  o que em decorrência do azar que eles tinham em determinadas situações, proporcionava um desconforto.

É aí que entra o famigerado Mestre dos Magos, amado por uns e odiado por outros. Eu faço parte dos que o considerava "pé no saco", pela sua incontestável capacidade de encher linguiça com enigmas e mistérios que transparecia algo bem distante de boas intenções sobre a libertação de seus discípulos, enrolando e enrolando a cada episódio, só dificultando a vida daquelas pessoas que só queriam retornar aos seus lares, apesar de suas frases de efeito e ensinamentos como que querendo convencê-los de que a jornada era uma provação necessária. Mas em questão de personagem irritante, esse posto vai para o Bob com seu inseparável companheiro, o demônio unicórnio Uni. O berrinho da inofensiva criatura só não era mais insuportável que a vez na qual arruinou a saída dos jovens daquele inferno. "Eu não vou embora sem a Uni!". Era de dar raiva, eu sei...

E não tem como falar de Caverna do Dragão sem mencionar um dos vilões mais marcantes ao lado de outros clássicos como Mun-Rah, Esqueleto e Megatron. Sim, ele mesmo, o Vingador! O cara parecia ser a personificação da maldade pura (ou o próprio diabo, como supunha uma certa teoria...), trazendo toda uma gama de obstáculos para o grupo. Cheio dos mistérios, ele convencia quando o assunto era vilania e destruir qualquer vestígio de esperança. Lembro de ter ficado empolgado com o duelo entre ele e Tiamat - que está entre os meus 10 dragões favoritos da ficção.

Menção honrosa: Demônio das sombras (apesar do pouco tempo de tela, o achava um tanto sinistro)

Episódio favorito: Aquele cujo vilão era no formato de um raio super-poderoso que perseguia o grupo, deixava um rastro de destruição e que o Mestre dos Magos fazia parecer tão ameaçador.

Personagem favorito: Eric, mesmo sendo um resmungão... enfim, não conseguia odiá-lo, era um bom alívio cômico. Em favoritismo particular, o Presto compete com ele, mas o cara do escudo me divertiu bastante com seu jeito de ser.


                                                                                   AGORA

Com minha watchlist lotada torna-se meio que impossível rever o desenho por "inteiro". Porém, continuo amando essa série por seu valor nostálgico, mesmo com o humor involuntário e as falhas inconformadoras dos personagens.


PS1: Eu já tomei como verdade absoluta a mais conhecida teoria a respeito da verdadeira natureza do Mestre dos Magos, a de que ele e o Vingador eram a mesma pessoa, que os jovens morreram e foram para o inferno, que a Uni era um demônio e que por causa da influência dela eles não conseguiam voltar para casa e blábláblá. Isso numa época em que eu engolia qualquer devaneio barato servido como teoria plausível.

PS2: Muitos devem saber que o "verdadeiro final" da série foi apresentado na forma de HQ, a famosa "Requiem", que por sinal leva o título do episódio que nunca foi ao ar nem produzido, baseada no script original. Relembrar a série me motivou a procurar lê-la.

PS3: Quando "Dungeons & Dragons" passou na Sessão da Tarde eu jurava que era uma adaptação live action do desenho. Me enganei feio nesse dia...

PS4: Seguindo a nova tradição, encerro a edição com um momento fofinho e carinhoso entre Presto e Uni.





*As imagens são propriedades de seus respectivos autores e foram usadas para ilustrar esta postagem sem fins lucrativos. 

*Imagens retiradas de: http://www.mundohq.com.br/veja-essa/publicacao/25/caverna-do-dragao.html
                                         http://blog.imaginarium.com.br/imaginarium/unicornios-gente-ja-gosta-desde-os-anos-80/




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Críticas? Elogios? Sugestões? Comente! Seu feedback é sempre bem-vindo, desde que tenha relação com a postagem e não possua ofensas, spams ou links que redirecionem a sites pornográficos. Construtividade é fundamental.