quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

O ciclo dos três planos


Sorrisos marcados por aprazíveis vivências. Renascimento diário, constante. A inspiração de um ar fresco e límpido. Corridas e andanças memoráveis felizmente. Um rosto suave, corado e jubiloso contagiando seu ambiente e a si mesmo com seu âmago impenetrável e estável.

Os ponteiros foram avançando depressa. As folhas do calendário sumindo num piscar.

Já não lembra-se mais do que respirava, do que ouvia, falava ou fazia. A distância entre ele e o futuro estava em um único abismo. Austero e profundo. Uma queda longa foi sentida.

Perguntas torturantes surgiram. Quanto tempo? Quantos dias? Quantas vidas? Quantas mortes? Quantas vezes?

Passeios por jardins secos e inférteis. Pássaros calados. Restos de memórias sendo incinerados nas chamas intensas geradas pela raiva do presente. Os selos foram rompidos. Demônios escaparam para acusar, humilhar e mutilar este corpo. Os sons agudos. As lâminas finas. O sangue golfando em profusão imparável. As vozes e gritos ecoando por todas as partes. A carne queimando em alto fervor.

O banimento que pensou-se ser eterno... se findou quando todo o oceano cristalino do qual bebia-se secou. Findou-se quando todas as memórias resvalaram-se cinzas. Quando a abundante fonte cessou seu jorro...

Alçado novamente. Expectativas enganadas. Surgiu o expurgo. A obrigação de seguir em frente. O ardor iminente. As provações que se dizem justas... para então culminar no arrependimento necessário e na purificação prometida.

Enquanto se anda rumo a um destino imprevisível, se pergunta: "Quando voltarei a pisar naquele lindo lugar deixado para trás?"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Críticas? Elogios? Sugestões? Comente! Seu feedback é sempre bem-vindo, desde que tenha relação com a postagem e não possua ofensas, spams ou links que redirecionem a sites pornográficos. Construtividade é fundamental.