Chapolin Colorado e o Inferno de Dante (Episódio Perdido)



Primeira creepy de episódio perdido sendo apresentada aqui no Universo Leitura. Sei que há muitos que vêem esse tipo de creepypasta como mentiras muito bem inventadas, mas faço parte daqueles que não deixam de ver algo interessante nestas supostas histórias verídicas.

A história abaixo, como quase toda creepy do tipo, é daquelas que intrigam e deixam o leitor pensativo por certo tempo, sobretudo um pouco assustado (aconteceu comigo quando li esta).

Verdade ou não, ela é mais uma para a coleção de teorias que "demonizam" seriados de TV. E, certamente, para um creepy-fã, não merece ser lida pela metade.

Boa leitura!

 _________________________________________________________________________________

CHAPOLIN COLORADO E O INFERNO DE DANTE 

É bastante comum ver o polegar vermelho protagonizar episódios que possuem fortes ligações literárias e históricas. No episódio em questão, vemos um argumento diferenciado, porém, o clima macabro exacerbado, fugindo em muitos momentos do humor típico do seriado, acabou fazendo com que o episódio fosse categoricamente cancelado e colocado na "geladeira", sem nem ao menos passar da metade das gravações.

O enredo segue da seguinte maneira:
Dante (Carlos Villagran) está sentado em sua escrivaninha, escrevendo em um pedaço de papel. Mostrando-se aparentemente aborrecido, ele faz caretas de alguém que não está com a mínima inspiração.

O fundo musical é composto pela música "Playing with Toys".

Repentinamente, alguém bate em sua porta. Dante calmamente levanta e dirige-se à porta. É Florenço (Ramon Valdéz), que cobra de Dante 50 moedas de ouro que havia lhe emprestado. Dante justifica dizendo que está trabalhando em um novo conto e que lhe dará o dinheiro dentro de 1 mês, mas é inútil. Florenço alega que está esperando o pagamento há mais de 1 ano e que também sabe que Dante não paga mais impostos. Florenço não aceita o acordo e ameaça voltar à casa de dante com guardas se caso ele não lhe pagar até o final do dia.

Ambos discutem e Florenço deixa a cena batendo na porta. Dante olha para a câmera e diz: "Oh, e agora, quem poderá me defender?"

Enfim surge Chapolin por trás de um sofá, dizendo: "Eu!"

Dante exclama - "O Chapolin Colorado!"

Chapolin - "Não contavam com minha..." - E acaba derrubando alguns vasos de barro com a sua marreta biônica.

A cena corta para outra, a qual possui outro fundo musical (In a Hurry, desta vez) e Chapolin decide perguntar à Dante o porque de tê-lo chamado. Dante conta sobre Florenço à Chapolin, mas acrescenta um detalhe:

- "O pior de tudo, Chapolin, é que tenho certeza que estou prestes a terminar uma das minhas maiores obras."

Chapolin pergunta - "E o que falta?"

Dante responde - "Começar." (piadas corriqueiras do programa dessa eu ri)

Ao continuar explicando, só que de uma forma mais séria, Dante afirma que não possui inspiração, apesar de ter uma ótima ideia para uma obra que poderia tornar-se um clássico. Chapolin indaga-o sobre a ideia e Dante, convicto, afirma que pretende escrever uma obra descrevendo o inferno. Ele insiste afirmando que não tem inspiração para fazê-lo.

De uma maneira incomum, Chapolin olha para a câmera com um rosto de expressão séria em uma cena que dura 1 minuto inteiro de silêncio total.

- "Eu posso lhe ajudar. Mas é algo muito arriscado." - afirma o polegar vermelho, após o silêncio perturbador.

- "O que é Chapolin, me fala." - diz Dante, ansioso e ciente ao mesmo tempo sobre o olhar perdido de Chapolin.

- "Se quer escrever sobre o inferno, mada melhor que consultar ao Diabo". - diz Chapolin tremendo, mas convicto.

Dante lança uma gargalhada e diz à Chapolin que não acredita nem em inferno ou no Diabo. Por uns instantes, ele tira sarro de Chapolin. Chapolin, de repente, começa a ficar trêmulo, passando a tremer mais forte, quando inexplicavelmente ele fica paralisado com quem está sob o efeito de sua corneta paralisadora.

Dante para de rir e começa a chamar por Chapolin. Ficando preocupado, começa a chama-lo sem parar. De repente ouve-se alguém batendo na porta, e quando ele abre... recebe a visita do próprio Diabo (Ruben Aguirre).

Mais um corte de cena com outra música de fundo (Flying Fists)

Diabo - "Você quer conhecer o inferno?"

Dante - "Não seja ridículo, homem. Do que está falando?" - diz irritado.

Repentinamente, os dois somem, abandonando completamente a cena. A câmera vai para a direita e mostra Chapolin ainda paralisado olhando para o nada.

A cena transfere-se à outro cenário, mostrando ser claramente o inferno. A partir deste momento não se ouve mais nenhum fundo musical até o fim do episódio. Dante desce alguns defraus de uma escada, acompanhado pelo diabo, colocando-se ao centro da imagem. Dante olha para o lugar com um misto de expressões: medo, surpresa e/ou encanto. O cenário, como de costume, é de baixíssimo orçamento, sendo composto por paredes com rochas vermelhas, caldeirões borbulhando fogo. A imagem estereotipada do inferno, praticamente.

- "Isso é o suficiente para lhe inspirar?" - disse o diabo, sorrindo.

- "Eu não sei..." - disse Dante, mostrando-se arrependido.

- "Você se sente bem?"

- "Sim."

- "Que pena. Talvez isto faça-o sentir pior..." - disse, sorrindo.

Um horrendo grito rasga o áudio, ao mesmo tempo em que um homem corcunda (nenhum ator conhecido do elenco comum), de aparência macabra, surge. A câmera foca-se nele, até que o mesmo se aproxima de Dante, portando um varinha. Ele aponta varinha para as pernas de Dante, e em seguida elas desaparecem, graças ao efeito chroma key utilizado no seriado. O diferencial da cena é exatamente o clima. Totalmente incomum. As expressões de dante e do Diabo fugiram totalmente do humor proposto pela série, diferenciando-se de qualquer coisa já vista em Chapolin.

Dante, sem as pernas, é pendurado por dois homens encapuzados em uma espécie de balanço posto em cima dos caldeirões. O áudio some por alguns segundos, tornando impossível ouvir Dante gritar. O áudio retorna e todos na cena desaparecem, restando somente Dante.

Dante - "Oh, e agora, quem poderá me defender?"

Um cão surge no lugar, farejando o chão e dirigindo-se à Dante. O cão direciona seu olhar para ele, e com uma voz de mulher (Maria Antonieta) diz: "Ninguém. Você está inferno, besta."

(Risadas da plateia de uso comum em programas do gênero. No entanto, não são as risadas comuns dos demais episódios, mas diferentes, mais frenéticas, como se houvessem realmente pessoas assistindo a desgraça de Dante no inferno)

No mesmo momento, um efeito chromakey passa por todo o cenário, deixando somente a cabeça de Dante em cena, e e zoom, quase ocupando toda a tela. Nas imagens ao fundo, pode-se ver partes dos episódios de Chaves aleatoriamente. Algumas imagens do diabo rindo. Outras imagens do seriado Chaves são introduzidas de modo subliminar.

Neste instante, Dante acorda em uma cama de hospital. Um médico (Ruben Aguirre), que está ao seu lado, lhe pergunta:

- "Sr. Alighieri... Está bem?"

Dante - "Nossa, sim. Quer dizer que tudo foi um sonho?"

Médico - "Não. De maneira alguma. Eu sou o diabo."

Dante começa a chorar - "Por favor, me tire daqui. Se eu soubesse nunca teria aceitado isso". Neste exato momento, a voz do diabo continua a falar enquanto a imagem volta a mostrar Chapolin, na casa de Dante, ainda paralisado.

Diabo - "O Chapolin lhe deu essa passagem para o inferno. Isso lhe custou seus movimentos. Bem, pelo menos enquanto você está no inferno. Esse foi o preço que o Chapolin pagou para que você pudesse vir. Agora... Embora o polegar retome seus movimentos quando você voltar, isso lhe custará seus movimentos físicos."

Os guardas de Florenço entram na casa de Dante e Florenço ordena - "Entrem, peguem o que lhe interessa e destruam o resto, a casa é de vocês."

Ele depara-se com o corpo paralisado de Chapolin e diz animado - "Chapolin! Chapolin Colorado! O que está fazendo aqui?" - diz ele bastante alegre. - "Chapolin?" - insiste - "Chapoliiiiin!" - exclamou já bravo.

Florenço (Don Ramon) olha para a câmera e diz conformado - "Bom..." Em seguida ele ordena aos empregados - "Podem levar esse aqui também."

E então termina o episódio.

Um funcionário anônimo da Televisa, que se tornou amigo de Roberto Bolanõs pouco tempo depois do seriado sair do ar em 1979, foi o responsável pelo suposto vazamento do roteiro do episódio. Apesar de não haver fotos ou partes do episódio disponíveis na internet, o boato que já circulava sobre esse e outros episódios, foram promovidos pelo vazamento do episódio.

O mesmo funcionário alegou que as razões pelas quais o episódio não foi ao ar são:

* Bolanõs preocupava-se em utilizar clássicos como inspiração, e o episódio em questão em nada se parecia com a obra "A Divina Comédia", de Dante Aligieri.

* O episódio destoava completamente dos já exibidos, e isto foi motivo suficiente para Bolanõs não finalizar a gravação, pois acreditava que a Televisa não aceitaria exibi-lo.

Em uma ocasião, mais precisamente em 2008, no Peru, Ruben Aguirre (Professor Girafális) relatou, em entrevista, que Bolanõs não parecia sentir-se comprometido com o humor. Gostava de fazer rir, mas também gostava de fazer chorar, provocar medo, comover. Por essa razão ele teria brigado seguidamente com a Televisa, logo muitos episódios foram cancelados, não-gravados e postos na "geladeira".


Adaptado de: The Creepypasta 

Comentários

As 10 +

10 melhores frases de Vegeta

10 melhores frases de Fullmetal Alchemist

10 melhores frases de O Homem de Aço

10 melhores frases de Coringa

Gifs assustadores que não vão deixar você dormir! (Especial Palhaços)

10 melhores frases de Cavaleiros do Zodíaco

10 melhores frases de Death Note

8 momentos mais vergonhosos de Vegeta

10 melhores frases de As Terríveis Aventuras de Billy e Mandy

Enquetes Dragon Ball #12 - Vencedores!