Baú Nostálgico #5: Yu-Gi-Oh!

Reprodução/Nihon Ad System/Studio Gallop

                                                                                 ANTES

Em alguma manhã do ano de 2002, acabei por deparar com meu segundo amor a primeira vista enquanto curtia a (atualmente) morta e enterrada TV Globinho (na época, já sendo veiculada como programa independente e não parte integrante de outro), sendo fisgado por uma trama que me manteria viciado por uns bons longos anos. Sendo franco, a experiência marcou mais pelo meu divertimento em relação aos cards do que pelo anime em si. Até hoje acho uma pena a série ter sido retirada do ar por reclamações de pessoas que adoram apontar a existência/influência do capiroto em obras fictícias, e sei que Yugi e cia não foram os únicos a serem oprimidos por essa legião de imbecis. Em contrapartida, felizmente, haviam os card game para preencher o "vazio".

Tive contato primário com eles através de um álbum de figurinhas, no qual Yami/Yugi era capa (e na contracapa, o que é justo pelo sucesso que o anime fazia na época) e nesse álbum em especial não pareciam haver outros desenhos também famosos, porque, convenhamos, ofuscar Yu-Gi-Oh! naqueles bons tempos era tarefa árdua e nenhuma outra atração exibida na TV Globinho, claro, foi capaz de tal.

Acho que é seguro dizer que os cards da série foram minha coleção mais longa e persistente que já tive. Diria que perdurou por uns 8 anos, com breves interrupções. Ao longo dessa caminhada, cerca de três decks, bem cheios, foram formados, os quais encontram-se intactos e preservados até hoje.

Disputar "campeonatos", contudo, não me era tão divertido quanto realmente sentir a ótima sensação de ser colecionador. Como fã, reitero que colecionar os cards sobrevaleu, de certa forma, a experiência com o anime exibido na TV (com censuras aos montes) e me sinto realizado por ter vivido uma época onde tal coleção foi a mais duradoura do que outras que terminaram cedo demais.

Com a estreia do spin-off Yu-Gi-Oh! GX, em 2009, no mesmo programa, aquela vontade retornou com tudo, com o anime voltando a ativa na rede aberta, logo seria previsível a volta dos cards... porém, não foi a mesma coisa por razões óbvias. Meu entusiasmo foi reduzindo gradualmente a cada vez que GX me convencia de que não honrava a essência do original e por isso merecia ser rejeitado. Por conseguinte, o terceiro e último deck foi o menor e em seguida me dei conta que só colecionava por mero saudosismo e o sentimento era já não tão verdadeiro e intenso quanto outrora. Muito devido também eu ter estado na pré-adolescência na mencionada época. Logo, é válido afirmar que fui me desprendendo aos poucos dos meus anseios de infância a cada nova vez que minha mente metamorfoseava nessa fase difícil e turbulenta da vida.

Mas como sou teimoso (para não dizer masoquista), insisti no GX novamente. Mais precisamente em 2010, quando a Rede TV! adquiriu os direitos de exibição, mas somente da terceira temporada em diante. Com base no meu ponto de vista em relação ao spin-off, não choraminguei porque perdi episódios importantes, porque a sensação foi completamente oposta. Mas assisti, como o curioso que sou. Só para ter a plena certeza de que a primeira geração é insuperável e única.

OBS¹: Apelar para o Exodia num duelo era praticamente trapaça. Eu só tenho uma das pernas, jamais consegui o resto.

OBS²: Minha carta mágica favorita era o "Monster Reborn" (Monstro que Renasce).


                                                                          AGORA

Atualmente, estou acompanhando, online, a segunda temporada de Duel Monsters mais precisamente a "Batalha na Cidade", aos sábados, e pretendo seguir até o fim. Ano passado revi a primeira na Play TV e só em seguida me ocorreu o desejo de conferir os episódios nunca exibidos em rede aberta.

Quanto aos outros spin-offs... O que preciso dizer a respeito deles? Longe de mim! Só.



Lista com os 50 fatos sobre mim, na qual está incluído um fato um tanto curioso relacionado aos cards que eu tinha:

http://universoleituracontoscreepys.blogspot.com.br/2015/06/50-fatos-sobre-mim.html



*A imagem acima é propriedade de seus respectivos autores e foi usada para ilustrar esta postagem sem fins lucrativos ou intenções relativas a ferir direitos autorais.

*Fonte da imagem: http://www.techcentral.com.br/2016/09/14/yu-gi-oh-se-tornando-realidade-gracas-ao-hololens/



Comentários

As 10 +

10 melhores frases de Fullmetal Alchemist

10 melhores frases de Vegeta

10 melhores frases de O Homem de Aço

10 melhores frases de Coringa

10 melhores frases de Cavaleiros do Zodíaco

Gifs assustadores que não vão deixar você dormir! (Especial Palhaços)

10 melhores frases de Death Note

Mais 50 fatos sobre mim (Parte 2)

O fim (?) de Dragon Ball Super

Crítica - Boneco do Mal