segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Beleza Interior


O fato que muitos trataram como fatalidade me soou como uma libertação. Sou um homem livre. Não sei como tive saco para aguentar todo aquele dramalhão de discursos homenageantes, cerimônias tradicionais e ultrapassadas. Minha esposa, por exemplo, segurando uma foto minha e colando-a sobre o caixão em seguida.

Isso me deixou inconformado, mais do que todos ali presentes. Não fazia muito sentido assistir o próprio sepultamento defendendo fortemente uma ideia que muitos recusavam-se a compreender por inteiro. Eles mal sabiam. Ela, minha esposa, chorava sobre um corpo vazio, uma carcaça decrépita e frágil.

Fui um excelente professor de filosofia. A ideia de estudar o exterior e interior do ser humano me fascinava. Este é quem sou agora. Meu verdadeiro eu. A pele, a carne, o sangue... De que valem, afinal?

Sinto a grandeza da alma humana. É indescritível. O que tanto suspeitavam era real.

O exterior é efêmero e vão. Se esta condição não limitasse tanto, iria bradar as multidões tudo aquilo que aprendi com a verdadeira e absoluta beleza interior.

É o que todos são por debaixo da casca.

Minha esposa é uma tola. Me amava pelo simples fato de conseguir fazer inveja as suas amigas fúteis e superficiais. Odiava todas. Odiava as visitas, as risadas e as conversinhas asquerosas sobre moda, maquiagem e toneladas de assuntos completamente irrelevantes. Mas era nosso casamento, eu a amava mais do que tudo, mas... era insuportável ter que ser obrigado a aturar suas demoras, manias e frescuras toda vez que íamos a algum evento. A amava de verdade, contudo éramos opostos em quase tudo.

E neste exato momento, acho muito estranho ela mudar sua visão acerca do que significa ser bonito.

Enquanto vivo, eu era usado como ferramenta para despertar o pior dos pecados da essência humana. E agora, morto, me torno genuinamente amado.

Digo isso, pois estou amarrado numa cadeira neste sótão velho e exalando odores como se abutres tivessem sido criados aqui. É, a morte, decerto, muda as pessoas. É tudo uma questão de perspectiva.

Não fui apagado. Ainda sou parte do universo. Talvez seja a mais profunda razão do significado disto.

É bom ela não acabar quebrando meu fêmur com estes nós apertados. Ainda possuo meus cinco sentidos. E minha consciência se encontra na mais incrível plenitude.

Ela me quer como de fato sou. Sendo assim, devo convida-la a se juntar a mim. Minha alma está fixada a estes ossos, então posso me mover sem problemas.

Não foi muito difícil escrever esta carta ainda que estas amarras me contenham para fazer o que tanto desejo: Liberta-la.

Não vou ser lembrado por quem tanto amei com minha falsa pele estampada naquelas malditas fotos.

Perfeito, Me desamarro e farei como deve ser feito.

Espero que ela não se arrependa de ter exumado meu cadáver. Pois só na morte encontraremos a real forma de experimentarmos uma existência sem preconceitos... sem peles falsas. 

---

Este conto foi escrito e publicado exclusivamente para o Universo Leitura. Caso o encontre em algum outro site com créditos e fonte ausentes, não hesite em avisar! 


*A imagem acima é propriedade de seu respectivo autor e foi usada para ilustrar esta postagem sem fins lucrativos ou intenções relativas a ferir diretos autorais. 

*Fonte da imagem: http://corvinum.blogspot.com.br/2017/04/pipocando-antologias-de-terror.html




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Críticas? Elogios? Sugestões? Comente! Seu feedback é sempre bem-vindo, desde que tenha relação com a postagem e não possua ofensas, spams ou links que redirecionem a sites pornográficos. Construtividade é fundamental.