quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Capuz Vermelho - A Enciclopédia: Perguntas e Respostas #1



AVISO: Não veja esta postagem se ainda não leu nenhum capítulo da série ou uma temporada inteira. Caso o contrário, poderá se deparar com SPOILERS.

   ________________________________________________________________________________


Esta parte da enciclopédia visa poder sanar possíveis dúvidas sobre a mitologia e o enredo em si.


1ª Temporada

As quimeras licantrópicas (todos os níveis) podem ter memórias de quando eram humanas através de estímulos externos? 

R: Sim, e o meio mais eficaz era uma habilidade (não inerente) do próprio criador delas: A hipnose. A regressão em licantropos artificiais (no sentido de terem sido criados em laboratório) tem um efeito mais demorado que em profetas, magos do tempo e pessoas comuns, mas ela surte efeito e faz vir à tona lembranças do passado, mas elas podem ser nebulosas por conta da forte influência bestial da licantropia que domina boa parte da psiquê, o que sugere um tempo reduzido nas memórias em relação aos outros citados. Só mesmo por meio da hipnose. Mostrar fotografias da família, por exemplo, é inútil. Robert Loub, por sinal, nunca se deu ao trabalho de tentar algo assim, somente hipnotizando-as para satisfazer a natureza selvagem delas.


A noite da lua de sangue significava o retorno de Abamanu ou o sacrifício de Rosie?

R: Isso foi desmentido na própria série. Loub blefara enquanto mantinha Hector sob custódia na masmorra. O eclipse que origina a lua de sangue ocorre uma vez a cada 90 anos. Abamanu veio à Terra, pela primeira vez, há 500 mil anos, quando ainda estava em pleno confronto contra seu ex-sócio e inimigo Yuga. Há 90 anos ocorreu o eclipse, onde na mesma noite a estátua de Abamanu piscou uma luz vermelha pelos seus olhos, inspirando os Red Wolfs de que aquilo era um autêntico sinal de resposta aos cultos, mas multi-interpretativo. Sendo assim, graças ao tal sinal, tiveram a ideia de substituírem as túnicas pretas para vermelhas, atribuindo mais sentido ao nome da fraternidade. E sobre Rosie, não foi uma coincidência o eclipse ocorrer no mesmo ano em que ela herdou o manto de seu pai e completou 18 anos de idade. Os Red Wolfs - da penúltima geração na qual o pai de Rosie participou - por meio da Bíblia de Abamanu traduzida, souberam do ciclo da lua de sangue e levando em conta uma profecia enigmática já suspeitavam que um evento brutal ocorreria para motivar a importância da noite da próxima lua de sangue (no caso, a "traição" de Richard Campbell). Se tivessem descobrido a carta, teriam antecipado os planos bem mais rápido, mas o Grão-Mestre alertou que não invadissem a casa pois tinha certeza de que a mulher que ali vivia era uma bruxa com a qual manteve um relacionamento secreto e seria precipitado a ponto das coisas piorarem para o lado deles, mas deu o aviso sem revelar o envolvimento amoroso. Como a próxima lua de sangue viria a ocorrer 18 anos depois, eles já suspeitavam de que teria algo relacionado a algum provável caso de heresia - a quebra da rigorosa regra que diz que para manter o legado intacto cada membro deve possuir filhos homens, caso o contrário significa que ele é indigno de estar diante da imagem do deus louvado e é encaminhado à guilhotina servindo de sacrifício. Com a morte de Loub por causa natural, eles resolveram esperar até o ano da próxima lua de sangue, ano este em que Rosie obteria a maioridade e sabiam disso, por tal razão Loub fez o que se designou a fazer (chantagear Hector, criar as quimeras, usar o dom de Alexia ao seu bel prazer etc) para trilhar o curso em direção ao sacrifício. A profecia não dizia que a cada 90 anos um herege surgiria. Richard foi um caso singular - e relativamente inesperado. Os Red Wolfs apenas viram na noite da lua de sangue a oportunidade perfeita para que o plano se concretizasse, apostando todas as fichas em Loub, o mais ousado e promissor dos membros. Além do mais, a própria coloração vermelha da lua após o eclipse serviu para casar com o clima do "grande evento" - também sendo bem irônico Rosie usar o manto de seu pai dentro do templo na mesma noite.


Por que o demônio libertado por Dwayne Nevill correu direto ao castelo de Loub para absorver logo a primeira quimera de nível 1 sendo que poderia muito bem se fundir com as de nível três ou com as nível 2 ou com os três níveis? E como ele sabia da localização? 

R: Dwayne pesquisou os projetos secretos de Loub nos arquivos de seu pai às escondidas dele e soube da existência das quimeras. Isso depois de ler o manuscrito profético traduzido, também sem a autorização do pai. Logo, após ter interpretado a profecia, quis antecipar o evento, ainda que não soubesse que o fez no momento propício, obtendo uma cópia do Goétia e realizando o ritual. Só não especifiquei esses detalhes em favor do mistério. Dwayne foi inteligentemente cauteloso na escolha do feitiço invocatório, libertando um demônio da classe Besta - irracionais e selvagens por natureza -, que podem ser controlados caso o invocador modifique a última parte do feitiço e a transforme em um comando. E foi o que ele fez: Como tem quase fluência em latim, Dwayne recitou a última parte do feitiço como uma ordem para invadir o castelo de Loub pelos fundos. Mas como Dwayne sabia a localização? Simples: Ethan Nevill financiava parte dos recursos para as pesquisas e experimentos de Loub e esteve bastante envolvido com o projeto no início, até adquirindo uma planta do local que foi subtraída por seu filho depois dele obter os materiais para o feitiço - mas Ethan não o fez propositalmente para favorecer a profecia, levando em conta a reação dele quando descobriu a traquinagem do filho. Mas Dwayne era um iniciante na prática! Isto porque as invocações de demônios de classe baixa podem ser feitas por amadores que saibam o básico de latim e conhecimentos acerca da bruxaria antiga. E sobre o demônio escolher justo a quimera nível 1 que matou o pai de Hector (o que não é uma coincidência): Isto também fez parte do comando. Demônios da classe Besta possuem a habilidade de se fundirem com qualquer criatura com alto nível de ferocidade e sede por sangue.


Loub tinha mais "afeição" pela quimera nível 1 a ponto disso explicar a razão pela qual Mollock - metade quimera, metade demônio - o chama de pai?

R: Mollock possui as memórias tanto da quimera quanto do demônio. O lado mais racional dele foi obtido graças ao sangue das quimeras nível 3 (assassinadas por ele) que deu um upgrade ao seu intelecto - sem isso ele seria apenas uma besta musculosa, hiperativa e só com vontade de ver sangue espichar -, por elas, quando humanas, terem sido pessoas com certo grau de inteligência e sucesso nas áreas profissionais que ocupavam, o que dá a entender que Loub foi extremamente seletivo (nível 1: Classe menos favorecida; nível 2: Classe média; nível 3 - Alta sociedade). A fusão pode ter elucidado mais o lado emotivo da quimera, embora não tenha sido suficiente para trazer à tona as memórias humanas, e Mollock, tendo plena consciência disso, percebeu o quão próxima era aquela quimera à ele, o quão requisitada ela foi e o quão respeitada foi a sua natureza através dos serviços sujos que Loub a mandava fazer. Isso a satisfazia... ao ponto de sentir-se "amada", ainda que não reconhecesse mais as emoções puramente humanas que se esvaíram pela brutalidade e irracionalidade que corriam em sua nova cadeia orgânica por cada veia. Era como um cão adestrado. Houve um tempo no qual Loub a tratava como seu bichinho de estimação, lhe trazendo comida, às vezes afagando a cabeça, algumas coisas que um dono faz com seu cão quando estão mais conectados (menos levar para passear, porque nesse caso ela o faria sozinha). Soma-se à isso a psiquê das quimeras nível 3, contidas no DNA modificado. Quando humanas foram prodígios. E isso não mudou quando foram transformadas porque não faria jus ao objetivo. Como eram mais inteligentes... logo reconheciam as emoções inerentes dos humanos, Loub deixou resquícios dessas características no DNA delas. Por essas razões, Mollock sente a necessidade de ser amado por uma figura que representaria aquele que o criou - ou pelo menos sua parte licantrópica. Por ter DNA nível 3, tem total noção de conceitos familiares (um pai, uma mãe, irmãos - aliás, ele tratava o exército de quimeras nível 3 mais do que súditos ou subordinados, mas como seus irmãos também por compartilharem do mesmo gene licantrópico), mas só restava a figura de Loub como paterna em suas memórias e não perderia tempo questionando a existência de sua "mãe" ou tentando encontra-la porque havia causas maiores em jogo no momento.


Como há sinal de telefone numa região montanhosa?

R: A cabana em Kéup foi construída próxima ao limite da cobertura do sinal telefônico, um tanto distante das montanhas. Além disso, existe um vilarejo à poucos quilômetros dela.


Os capangas de Loub também foram presos durante a invasão da polícia ao castelo?

R: Alguns se esconderam. No entanto, encontrados por Mollock quando ele foi visitar o castelo (antes dele ir até a delegacia para encontrar Loub através do seu faro aprimorado), mordidos e transformados pelas outras quimeras nível três, se juntando ao exército.


Havia mesmo necessidade de Rosie usar o capuz?

R: Para Richard, sim. Era um homem bastante crédulo e confiava veementemente que seu manto era sagrado de modo a proteger todos que amava. As palavras na carta de despedida encheram Rosie desta crença e a fizeram concordar em usar o manto vermelho, muito mais como cumprimento de uma promessa em honra por um ente querido que jamais viria a conhecer do que pela crença em si - que ela respeitava, até ir conhecendo mais da índole de Abamanu capítulos depois.


Loub se prestou a ajudar Hector a ir até Raizenbool sem que ele soubesse que o inimigo estava ao lado. Como Hector não reconheceu Loub sendo que há um flashback de 7 anos atrás de uma conversa por telefone entre os dois?

R: Hector nunca o vira. O máximo que ela conhecia de Loub, antes da morte de seu pai, eram menções ao seu respeito, os dois, até o momento citado na pergunta, nunca haviam se conhecido pessoalmente. Além disso, Hector se esforçava para esquecer daquela conversa tensa onde Loub o chantageia com relação ao sacrifício de Rosie ou tentava ao máximo manter essa lembrança nebulosa e se concentrar em seguir na contramão do seu destino. Ele pode ter memória fotográfica, mas a voz de Loub não ficou totalmente gravada na sua mente justamente pelo desejo de esquecer que aquela conversa aconteceu, além de Loub ser um vilão que sabe fingir um bom samaritanismo com uma postura que contrasta com a que demonstrou há 7 anos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Críticas? Elogios? Sugestões? Comente! Seu feedback é sempre bem-vindo, desde que tenha relação com a postagem e não possua ofensas, spams ou links que redirecionem a sites pornográficos. Construtividade é fundamental.